28 de fevereiro de 2017

Mais curiosidades sobre Hong Kong

Depois de um bom tempo sem voltar pra casa, acabamos de voltar de uma viagem de três semanas para o Brasil! Foi muito bom poder descansar bastante e ter uma viagem tranquila e sem correria. Mais ou menos, porque durante minha estadia em São Paulo, eu passei uma boa parte do tempo resolvendo problema em bancos. Eita burocracia do capeta que ainda existe no Brasil! 

Isso me deixou pensando sobre algumas diferenças entre o Brasil e Hong Kong. Eu já estou aqui há tanto tempo, que eu nem paro mais para observar as diferenças e curiosidades entre os dois países. Nas últimas semanas eu fui preparando um listinha a partir de pequenas observações do dia a dia, sobre coisas que aqui em Hong Kong são tão normais, mas que causam estranheza para os brasileiros, e vice-versa.

Bancos:

Infelizmente nós brasileiros já estamos acostumados com a tensão que é ir no banco: portas giratórias, detectores de metal, ter que tirar tudo da sua bolsa/mochila até finalmente entrar banco!

Em Hong Kong é outro mundo! Como a cidade é muito segura, é possível entrar no banco de boa, sem ter que se preocupar com itens de metal e etc. Por outro lado, fila existe em todo lugar, isso realmente não dá pra evitar, hehe.

Os caixas automáticos daqui também são mais desprotegidos, sendo possível sacar dinheiro a qualquer hora do dia ou da noite, sem precisar de senhas extras ou ter que passar o cartão na porta (blindada) do banco para poder entrar. A tranquilidade é tanta, que é super normal você estar usando o caixa eletrônico e ter uma pessoa colada atrás de você na fila, mesmo se você estiver naquelas cabines menores. No começo dava uma aflição ter alguém logo atrás de mim! Na minha cabeça a pessoa estava, obviamente, tentando espiar meu saldo e descobrir minha senha. Mas não, isso é só o jeito das coisas aqui, onde as pessoas não vêem muita necessidade em 'preservar sua privacidade' enquanto vc saca o seu suado dinheiro.

Nas nuvens:

Hong Kong é o lugar do mundo com mais arranha-ceús. Sendo assim, não é a toa que a vida não acontece no térreo.  É muito normal que lojas e restaurantes estejam localizados no terceiro andar pra cima dos prédios. Em áreas mais comerciais, existem prédios inteiros de 10 ou 12 andares apenas com restaurantes.

E fica a cargo do restaurantes fazer propaganda, distribuir panfletos na rua e outras estratégias para atrair clientes. Ou o contrário, as vezes mesmo restaurantes pequenos em lugares super simples podem ter uma fila imensa do lado de fora e fica até dificil pegar o elevador. Em Hong Kong o bom e velho boca a boca ainda é uma ótima estratégia de marketing!

Supermercado:

Eu já falei aqui muitas vezes sobre as comidas exóticas que os chineses tanto apreciam (e eu nem tanto assim). E não só isso, os supermercados brasileiros são um luxo perto dos supermercados de Hong Kong: grandes, com corredores amplos, muitas frutas, padaria, açougue... em Hong Kong os supermercados são minúsculos, com corredores apertados e pouquíssima variedade de frutas e carnes.

Pra mostrar, eu tirei fotos dos detaques do supermercado daqui:

Prateleiras e mais prateleiras de.... miojo! Não só os chineses, mas os asiáticos todos são chegados em um miojo/cup noodles. Tem de todos os estilos e sabores (menos galinha caipira, que é algo que definitivamente não existe aqui).

A seção de miojo só perde para a de molho de soja, o famoso shoyu. Quem no Brasil imaginaria que existem tantos tipos diferentes desse molho tipicamente chinês? Tem a versão premium, a versão gold, a versão diamante, sem sódio, com sódio e vários outros. Pra mim, todos tem o mesmo gosto!

Outra figurinha carimbada dos supermercados aqui é a cabeça de peixe. No caso da foto, de salmão. Nos restaurantes rola até uma disputa pra ver quem fica com a cabeça do peixe - dizem que as bochechas e os olhos são as partes mais gostosas...

Enquanto no Brasil os supermercados vendem frios, queijos, salgadinhos e até lanches rápidos para os consumidores levarem pra casa, em Hong Kong o 'lanche' são pés de galinha desossados.

Pra fechar com chave de ouro, outra iguaria que definitivamente você não encontra com tanta facilidade assim no Brasil: intestinos, prontos pra comer! Só não me pergunte se é de porco ou de vaca, haha!

E aí estão algumas pequenas curiosidades do dia a dia daqui de Hong Kong. :)

Quem já veio pra cá: o que te chocou mais?
Escreva nos comentários e pode virar tema do meu próximo post!

23 de janeiro de 2017

Colaboração - HK Travel Blog: mergulhando em Hong Kong

Minha mais nova colaboração foi com o HK Travel Blog, um dos blogs mais completos sobre viagens de e para Hong Kong. Eu acompanho esse blog há algum tempo, e quando o Christopher fez o chamado para artigos de colaboradores, eu logo me ofereci.

O HK Travel Blog é todo em inglês, mas é super informativo e tem um visual bem clean. Meu primeiro artigo é uma tradução deste post que eu publiquei em junho do ano passado.


Pra mudar um pouco eu coloquei uma foto inédita, mostrando a 'transparência' dos mares de HK.


Aguardem mais colaborações em breve! :)

17 de janeiro de 2017

Hong Kong: "paraíso" para estrangeiros... será?

Oi gente!

Primeiramente, feliz ano novo! Essa que vos fala já está entrando em seu sétimo ano em Hong Kong, quem diria! E para vocês que acompanham o blog desde o começo... vocês estão sete anos mais velhos, ha ha ha.

Piadas sem graça a parte, eu bem que gostaria de começar esse post anunciando muitas novidades no blog, um layout novo, uma página '.com' de respeito. Mas não adianta ter uma embalagem bonita mas sem conteúdo, né? Então o que eu espero fazer em 2017 é escrever mais, porque assunto não falta e pouco a pouco deixar esse blog um pouquinho mais profissional!

Voltando ao assunto, essa semana eu li no site da BBC Brasil um artigo sobre Hong Kong, e sua posição como uma das cidades mais atraentes para expatriados. Eu achei o artigo bem interessante, apesar de dizer respeito a apenas uma minúscula parcela da população que pode-se considerar verdadeiramente expatriados.

Clique aqui para ler o artigo!

Eu pesquisei bastante sobre esse assunto nos anos em que estive aqui e para mim "expatriados" são aqueles que se mudam de país por razões estritamente profissionais, ou seja, trabalhando para a mesma empresa, são transferidos do país X para Hong Kong. Normalmente isso envolve um belo pacote de benefícios, que como o artigo fala, envolve bônus, auxílio moradia, escola para os filhos e por aí vai.

Se eu tenho esses benefícios? Na-na-ni-na-não! O lado ruim de ser uma estrangeira procurando trabalho já estando em Hong Kong é que todas as empresas vão te oferecer um contrato local, sem todas essas bonanças. Isso pode gerar algumas saias-justas no trabalho, afinal você acaba tendo pessoas com o mesmo nível de competência com salário totalmente diferentes.

Enfim, a tradução do artigo é um pouco estranha (palavras como "pungente" e "vicejante" no mesmo parágrafo), mas ele dá uma boa idéia dos custos que uma família vai ter que arcar ao vir morar em Hong Kong. Muita gente me escreve querendo saber mais sobre os custos e qualidade de vida daqui, e o artigo oferece informações valiosas, principalmente para aqueles que buscam um estilo de vida, digamos, mais confortável.

Só de ler o preço do aluguel em alguns lugares e a matrícula nas escolas internacionais, eu fico de cabelo em pé! Números assim só mostram como a desigualdade é gritante em Hong Kong, mas o artigo infelizmente não fala muito sobre isso. Diferente do Brasil, a desigualdade aqui é mais escondida: ricos e pobres andam nas mesmas ruas e tomam o metrô lotado todas as manhãs. A diferença é o que sobra no fim do mês.

Não quero levar essa publicação para o lado sombrio da desigualdade social em Hong Kong, mas espero que essa seja uma conversa para mais tarde. Por enquanto, leia o artigo e tire suas própria conclusões sobre a vida nessas terras exóticas! :)